diariodefoz-logo-cabec wh

Com quase 200 furtos no 1° semestre, motociclistas de Foz cobram mais segurança

e acordo com as vítimas, os bandidos já não se intimidam com cadeados, correntes, câmeras ou locais de grande movimento
WhatsApp
Facebook
Avenida Brasil em Foz do Iguaçu Foto: Roger Meireles

Foz do Iguaçu encerrou o primeiro semestre deste ano com mais de 300 registros de furtos de veículos. Desde total, 175 casos são referentes a motocicletas dos mais variados modelos. As regiões do Centro e Vila A lideram o número de crimes, que vem crescendo gradualmente.

O volume de motocicletas furtadas nos últimos seis meses já representa 70% do total ocorrências contabilizadas em todo o ano de 2023, quando foram carimbados 237 casos.

O alto índice de crimes tem assombrado, principalmente, os entregadores e mototaxistas, duas classes que tem as motos como principal instrumento de trabalho. De acordo com as vítimas, os bandidos já não se intimidam com cadeados, correntes, câmeras ou locais de grande movimento.

Na semana passada, um veículo foi subtraído em um ponto no cruzamento das avenidas República Argentina e Brasil. O crime ocorreu em um dia de semana, no meio da tarde. A vítima, que atua no transporte de pessoas, havia deixado a moto estacionada e trancada para utilizar o banheiro em uma lanchonete. Ao retornar, o bem já havia sido levado.

Leia também

“O criminoso levou o instrumento de trabalho dele, aquilo que ele usava para levar o sustento para a casa. Agora o rapaz está desesperado, sem saber qual rumo tomar e sem muitas perspectivas de recuperar a moto. Fica o prejuízo, a tristeza e a insegurança de quem tanto luta para garantir o pão para a família”, disse um mototaxista, colega da vítima, que preferiu não se identificar.

Os casos de roubo de motos, quando há uso de violência direta, somaram 38 ocorrências no primeiro semestre, mais que a metade do total de crimes em todo o ano passado, com 50 casos.

Em qualquer situação é importante procurar a delegacia e registrar o Boletim de Ocorrência para que as autoridades possam tomar providências e tentar localizar o veículo e os suspeitos.

Das quase 200 motos furtadas ou roubadas neste ano, 53 foram localizadas pelas forças de segurança e devolvidas aos donos. O restante infelizmente ainda não foi recuperado. Conforme a polícia, a destinação das motocicletas subtraídas é bastante variada, mas em geral a maioria é levada para o Paraguai, onde são desmontadas e vendidas de forma clandestina.

Ações e cobranças

No cenário de insegurança, os usuários de motocicletas fazem um apelo as forças policiais para que os patrulhamentos e operações sejam intensificados com o objetivo de reprimir a ação dos criminosos, especialmente não áreas com maior índice de crimes.

Em resposta, a Polícia Militar afirmou que trabalhos pontuais já estão sendo desenvolvidos com o Serviço de Inteligência para identificar suspeitos e frear as ocorrências.

No mesmo sentido, as equipes da Guarda Municipal realizaram duas operações na semana passada, abrangendo os bairros Gleba Guarani, Jardim Dourado, Três Lagoas, Vila Brás e Vila Miranda. Abordagens diversas foram realizadas, visando localizar veículos e pessoas suspeitas.

Mesmo com a audácia dos criminosos, a polícia incentiva a população a continuar investindo em equipamentos como corta-correntes e alarmes e a sempre buscar locais com bastante movimento para estacionar, se possível onde haja câmeras de monitoramento. Em crimes, a análise de imagens auxilia bastante na identificação de suspeitos.

Mais notícias