diariodefoz-logo-cabec wh

Impulsionado pela Argentina, tráfego de caminhões no Porto Seco de Foz cresce 56,52%

No último mês o maior porto seco da América Latina registrou a passagem de 15.588 caminhões com importações procedentes da Argentina.
WhatsApp
Facebook
Novo porto seco de Foz do Iguaçu receberá até 2 mil caminhões por dia
Foto: Divulgação/Assessoria

No período de janeiro a maio, o Porto Seco de Foz do Iguaçu registrou a passagem de 15.588 caminhões com importações procedentes da Argentina.

Esse volume denota um crescimento significativo em comparação ao ano anterior, quando foram contabilizados 11.741 caminhões no mesmo período. Apenas em maio de 2024, ingressaram 4.022 caminhões com importações provenientes da Argentina, evidenciando um aumento expressivo em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Durante os primeiros cinco meses de 2024, houve um aumento de 3.847 caminhões em relação ao mesmo período de 2023.

Isso representa um crescimento de aproximadamente 33%. Já no mês de maio, especificamente, houve um acréscimo de 1.452 caminhões em comparação com maio do ano anterior, resultando em um aumento de 56,52%.

Leia também

Um dos fatores que pode ajudar a explicar esse aumento abrupto são as enchentes no estado do Rio Grande do Sul. Como é sabido, aquele estado possui pontos de fronteira importantes para a entrada no Brasil de importações procedentes da Argentina, e os eventos climáticos trouxeram dificuldades na operação de determinadas empresas por aqueles pontos de fronteira. Com isso, Foz do Iguaçu acabou sendo uma espécie de válvula de escape para essas operações.

Impulsionado pela Argentina, tráfego de caminhões no Porto Seco de Foz cresce 56,52%

Em resposta a este aumento de demanda por serviços aduaneiros para as cargas provenientes da Argentina, a Alfândega da Receita Federal em Foz do Iguaçu tem lançado mão de uma série de medidas, visando também reduzir os impactos negativos dessa sobrecarga. Dessa forma, acredita-se que em até duas semanas a situação da operação do Porto Seco de Foz esteja normalizada. 

Mais notícias